Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

No comando:

Das as

Edgard Santos
No comando:

Das 00:00 as 23:59

No comando: AS MELHORES DA ENFOQUE FM

Das 08:00 as 00:59

GOSTEI DISSO E VOU DAR MINHA OPINIÃO TAMBÉM

Compartilhe:
luis-carlos

Disse Luiz Carlos da Banda Raça Negra:

“O que, que o cara faz. Ele pega um amigo, e vem querendo cantar. Um faz à segunda, o outro a terceira, outro a quarta… a quinta… parece até marcha de carro” (risos). E continua. “O perigo é isso, pois tem muita gente boa, mas muita gente ruim também. E o ruim é sempre o que mais tem! Agora veja que o cara tem talento, mas não tem espaço. Ele leva o disquinho que ele fez com muito sacrifício até umas emissoras de rádio, mas a cara de pau do cara do rádio tem a coragem de cobrar 50, 60 às vezes 100 mil reais para tocar três meses. E se não houver pedido, a música para de tocar. Como é que uma pessoa que está começando tem condições para pagar?”, comenta.
E continua: “Quando é um artista que já se estabeleceu, ele faz um show e da para a rádio. Mas se o artista está começando, não dá para fazer isso. Ou seja… isso é uma tremenda sacanagem por parte dos caras dos rádios”, enfatizou.
Num bate papo com Jorge Aragão… daí para frente assistam.

Eu fiz questão de grifar bem esse trecho da conversa.
Primeiro: Mais gente ruim do que boas tocando e cantando. Segundo: rádios cobrando até 100 mil reais para executar uma música de um artista que está começando, onde a família de alguns desses iniciantes, até vendem, alguns de seus bens, se não tiverem dinheiro, para tentar colocar o filho dentro do meio artístico. E eu, Edgard, vi muito disso acontecer.
Mas aqui em São Paulo, principalmente, existem muitos artistas cegos. Gastam o que tem, e o que não tem, para ver sua música tocando na rádio, e depois ficam lamentando, quando acaba o prazo dado pela rádio. Dançam com o próprio trabalho, mas não aprendem. E quando dispomos de um canal de divulgação mais em conta para ajudar a muitos acenderam a degraus superiores dentro do meio artístico, ouvimos o seguinte: “Puxa vida… gastamos para fazer o nosso CD… DVD… e não temos para divulgar”. Oras… depois que gravam um CD que foi produzido por profissionais de ponta, faz de tudo para arrumar dinheiro para pagar uma soma a exemplo do que o Luiz Carlos mencionou. Vendem carros, casas, enfim… faz o que for preciso. Mas para desenvolver um trabalho de divulgação, usando um profissional não tem dinheiro! Gente… é cada um no seu cada um. O divulgador não pode subir no palco para cantar. E com toda certeza o artista não pode sair por aí tentando divulgar seu trabalho, pois desconhecem os atalhos e tipos de negociações.
Eu peguei uma carona no pronunciamento do Luiz Carlos, para poder dar meu ponto de vista também. Nosso trabalho, ENFOQUE Artístico nasceu antes mesmo da banda Raça Negra gravar o primeiro elepê (disco de vinil no formato bolachão). Nesses anos todos vimos muitas coisas erradas neste meio, e essa é mais uma delas. Por esse motivo, muitos que inclusive tem bons trabalhos gravados, estão escanteados por aí. Quer dizer… gastaram e tem seus trabalhos engavetados, pois a rádio deixou de dar prosseguimento na execução, e por conta da frustração o aspirante a artistas morre no ninho. Mas muitos tem o que merecem. É como diz o Ditado: “Olho grande não é Chinês”. “Ou melhor… não entra na China”, entenderam?

 

Deixe seu comentário: